Presidente volta a defender Estado como indutor do desenvolvimento

Para Lula, bancos públicos têm papel de ofertar crédito mais barato
O presidente participou na manhã desta terça-feira, no Palácio do Itamaraty, da abertura da sexta edição do Brasil Investment Forum, evento sobre as oportunidades no Brasil para investidores estrangeiros. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
terça-feira, 7 novembro, 2023

DA AGÊNCIA BRASIL

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva reafirmou, nesta terça-feira (7), que o Estado deve atuar como indutor do desenvolvimento do país. “A gente não precisa diminuir o Estado para valorizar a iniciativa privada”, disse o presidente a empresários, em discurso no Palácio do Itamaraty.ebcebc

“No nosso governo, a gente não vai tentar vender a cama para dormir no chão. A gente não vai vender ativos públicos. Vai fazer com que eles se tornem tão competitivos, para que compartilhem relação com a iniciativa privada, para que a gente possa melhorar”, afirmou. “O Estado, se não se meter a ser empresário e se colocar como indutor do desenvolvimento de um país, podemos ter um Estado fazendo investimento sadio para poder crescer”, acrescentou.

Aos empresários, Lula prometeu que o governo garantirá estabilidade política, fiscal e jurídica para investimentos e que os bancos públicos ofertarão crédito mais barato. Para o presidente, o Brasil tem uma janela de oportunidades e potencialidades para atrair novos investimentos. Ele defendeu a mudança do modelo de desenvolvimento para uma economia verde, com indústria e agricultura mais tecnológicas e negócios mais inteligentes.

O presidente prometeu também que o governo vai garantir estabilidade política, social, jurídica e fiscal. "Queremos garantir a possibilidade de vocês colocarem a inteligência empresarial para que este país cresça cada vez mais”, disse Lula. E questionou: “Ao invés de US$ 600 e pouco bilhões de comércio exterior, por que a gente não estabelece meta de chegar a US$ 1 trilhão de dólares de comércio exterior?”.

Lula deu o exemplo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que já reteve mais recursos para investimentos e que, no governo passado, foram devolvidos ao Tesouro Nacional. “[O BNDES] vai voltar a a ser um banco de investimento e desenvolvimento para que possa restabelecer a possibilidade de emprestar dinheiro a taxa de juros baixos e de longo prazo.” Ele acrescentou que o governo não vai subsidiar negócios, apenas incentivar.

O presidente reafirmou que a economia vai crescer quando o dinheiro circular na mão da população e enfatizou que a questão climática é urgente. “A questão climática não é mais loucura de professor da USP [Universidade de São Paulo], não é mais loucura de ambientalista, não é mais loucura de nenhum jovem desvairado. A questão do clima é muito séria, e o planeta está dando um aviso: ‘cuidem de mim, não me destruam, que vocês serão destruídos junto comigo.' Este é o recado que estamos vendo nos ciclones, nos furacões, nas secas”, disse o presidente, citando a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva.

“Ao invés de alguém não gostar da Marina porque ela defende muito a Amazônia, precisa começar a gostar da Marina, porque ela começou a fazer por nós aquilo que já deveríamos fazer por nós mesmos”, destacou.

Brasil Investment Forum

O presidente participou na manhã desta terça-feira, no Palácio do Itamaraty, da abertura da sexta edição do Brasil Investment Forum, evento sobre as oportunidades no Brasil para investidores estrangeiros. O fórum é uma parceria entre o governo federal, o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil).

Lula foi acompanhando de um time de ministros, entre os quais, os da Fazenda, Fernando Haddad; do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet; do Meio Ambiente, Marina Silva; da Agricultura, Carlos Fávaro; e da Casa Civil, Rui Costa.

O evento ocorre hoje e amanhã (8), e a programação inclui painéis temáticos sobre a diversidade de iniciativas que podem atrair investimentos para o país. Os temas em discussão abrangerão transição energética, desenvolvimento sustentável, inovação e tecnologia, agronegócio e negócios de impacto.

Edição: Nádia Franco

Gostou? Compartilhe...

Leia as materias relacionadas

magnifiercrossmenu